Blog Boa Terra

Em nosso blog, você encontrará temas voltados a qualidade de vida, saúde e bem estar e ao Meio Ambiente, estes serão atualizados semanalmente. Com o objetivo claro de educar e conscientizar cada indivíduo, proporcionaremos e incentivaremos a discussão, sempre respeitosa, valorizando o ser humano, a fim de voltarmos aos princípios estabelecidos na criação.

  • Câncer: Repense seus hábitos!

    Repensar sempre nossos hábitos diários é importante se queremos nos manter fortes e saudáveis por muito mais anos; viver a fase da terceira idade com qualidade de vida, muita disposição e, claro, sem doenças para nos atemorizar.

    Estudos comprovam que hábitos saudáveis reduzem significativamente o risco de desenvolvermos algum tipo câncer. Por isso, fique atento às dicas que daremos nas próximas linhas. Nunca é tarde para mudar e os resultados positivos tornam-se visíveis em bem pouco tempo!

     1. Fique atento ao seu peso corporal e a largura de sua cintura.

    Estar acima do peso ou na categoria de obeso é responsável por 5% dos casos de cânceres e aumenta o risco de desenvolver algum tipo de câncer, tais como: rim, mama e intestino. Por este motivo, olho na balança! Não é uma questão de estética, estamos falando sobre saúde! O IMC ou Índice de Massa Corpórea pode te ajudar a verificar onde você se enquadra: abaixo do peso, normal, acima do peso (ou sobrepeso), obesidade I, II ou III. Para obter seu IMC basta fazer uma conta simples. IMC = peso/altura2. Exemplo: Se você pesa 63Kg e mede 1,68 de altura, seu IMC será 63/1,682 = 22,34. Você está normal.

     A circunferência da cintura também é de extrema importância. Essa gordura acumulada, a tão engraçada barriguinha de cerveja, não tem nada de engraçado. Ela esconde uma bomba relógio que pode detonar a qualquer momento dependendo do estilo de vida que você leve.

    A gordura concentrada na região do abdômen, também chamada de gordura visceral pode significar:

    • Triplicar o risco de infartos ou derrame;
    • Aumentar as chances de diabetes;
    • Aumentar a taxa de triglicerídeos e o acúmulo de colesterol ruim (LDL);
    • Elevar a pressão arterial;
    • Facilitar a apneia do sono;
    • Aumentar os casos de câncer de intestino grosso, rins, endométrio e ovários.

     Por tudo isso, cuide-se!

     Não invista em dieta milagrosa. Se você precisa perder peso, comece aos poucos mudando seus hábitos ruins. Não tenha pressa. Só assim você terá um novo estilo de vida sem correr o risco de voltar aos maus hábitos com o término da dieta.

     2. Consuma verduras, frutas e legumes orgânicos

    Há muitas evidências ligando uma dieta rica em vegetais, frutas e legumes a um risco reduzido de câncer. Anos de pesquisa tem mostrado que uma dieta saudável e equilibrada pode ajudar a reduzir o risco de câncer. A conexão entre comer grandes quantidades de carne vermelha e processada e câncer colo retal ou intestinal também está bem estabelecida.

    Quando os padrões alimentares são quebrados, comer poucas frutas e vegetais é responsável por 5% dos casos de câncer, comer carne vermelha e processada por 3%, comer pouca fibra por 2% e muito sal por 1%. Mas há boas notícias: de acordo com o Fundo Mundial para Pesquisa do Câncer (WCRF), o consumo de frutas e vegetais sem amido, como brócolis, couve, espinafre e cenoura pode reduzir o risco de câncer de boca e garganta. Isso pode ser porque eles contêm muitos nutrientes antioxidantes, bem como outras substâncias naturais que ajudam a proteger as células do corpo contra danos.

     3. Esqueça os alimentos processados

     A carne processada, como bacon, salame, chouriço e presunto, aumenta o risco de cânceres intestinais, muito provavelmente em razão dos conservantes que ela contém que irritam a parede do intestino e modificam a estrutura celular, podendo criar uma desordem no organismo. Recomenda-se que não se consuma mais do que 500g de carne vermelha cozida por semana. Comer muitos alimentos processados ​​(carne ou não) significa que você tem mais chances de ter uma dieta rica em gordura saturada, o que pode aumentar o risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama.

      4. Movimente-se

    Se você é uma pessoa ativa, ou seja, corre, nada, pedala, caminha... pratica qualquer atividade física de maneira regular, parabéns, você está mantendo bem afastado o risco de desenvolver vários tipos de câncer, incluindo: intestino, mama e útero. Entretanto, caso você seja adepto apenas do levantamento de copo ou controle remoto, sinto muito ter que te informar, mas seus hábitos ruins o estão levando a entrar na lista dos propensos a desenvolver algum tipo de câncer. Por esta e outras razões, levante-se, vista um short e uma camisa e comece fazendo uma leve caminha de 30 minutos. Além de manter seu peso baixo, o exercício pode reduzir os níveis de hormônios, incluindo o estrogênio, que supostamente estimula algumas formas de câncer de mama e de útero. Ser ativo também ajuda a comida a se mover através do intestino, limitando o tempo que os alimentos e quaisquer substâncias químicas nocivas passam lá, reduzindo assim o risco de cânceres intestinais.

     5. Beba com moderação

    O elo causal entre o álcool e o câncer é indiscutível. Não há limite seguro. E agora sabemos que o álcool não apenas aumenta o risco de câncer de fígado, mas também outros sete tipos de câncer, incluindo intestino, mama e boca / garganta.

    Pesquisas revelam que nove em cada dez pessoas não estão cientes da ligação entre o álcool e o câncer. Tenha dias livres, sem bebida, para que seu organismo tenha tempo de se recuperar. Acredite, você é bem capaz!

     6. Não fume

    O cigarro é o grande vilão quando o assunto é câncer. Deixar de fumar não é fácil, mas é possível e existem vários grupos de apoio, bem como opções de tratamento para os que desejam largar de vez este hábito letal. Os benefícios para a saúde são enormes, então vale a pena ir em frente. Apenas 20 minutos após o seu último cigarro, a sua frequência cardíaca começará a diminuir e, após duas semanas, a sua circulação melhorará. Mas aqui está a parte realmente importante: se você ficar de fora dos cigarros por 10 anos, seu risco de câncer de pulmão cai pela metade comparado a alguém que ainda fuma. Fale com o seu médico e busque apoio em sua família.

      7. Suplementos não substituem uma boa alimentação

    Eles nunca serão tão bons quanto os nutrientes encontrados naturalmente nos alimentos. Comer uma dieta variada e saudável é geralmente suficiente (com algumas exceções, como o ácido fólico para mulheres que tentam engravidar e nas primeiras 12 semanas de gravidez, e a vitamina D durante os meses de inverno). Há tantos nutrientes diferentes em nossas dietas - não é apenas uma vitamina específica que vai reduzir nosso risco. Precisamos equilibrar nossa dieta.

     8. Atenção ao anticoncepcional

    Tomar a pílula anticoncepcional combinada tem sido associado a um aumento do risco de câncer de mama, mas isso retorna ao normal 10 anos após você parar de tomá-lo. Mas alguns estudos descobriram que a pílula oferece proteção contra o câncer do colo do útero, do útero, do ovário e do cólon. A pílula é uma excelente forma de contracepção! Para aquelas mulheres que já possuem casos de câncer de mama na família, é de fundamental importância manter visitas regulas ao ginecologista. Converse com seu médico sempre!

    9. Consuma fibras

    O câncer do colo retal é menos comum em pessoas que consomem uma dieta rica em fibras; seu risco é reduzido em até 20%. A fibra reduz o tempo de trânsito dos alimentos no intestino e, portanto, a quantidade de tempo que as bactérias nocivas estão em nosso sistema digestivo. Comer fibras cria uma relação simbiótica em nosso intestino com as boas bactérias. As bactérias se alimentam da fibra alimentar, que é então convertida em ácidos graxos de cadeia curta.

    Após todas essas dicas, queremos reafirmar que sempre é possível recomeçar. Mesmo que pareça difícil no começo, mas vale muito a pena colher os bons resultados em nosso corpo!

  • Intolerância a lactose

    Com certeza você já ouviu falar em intolerância a lactose ou, até mesmo, conheça pessoas assim. Hoje aqui no Blog vamos conversar um pouquinho sobre o que é ser intolerante a esta enzima presente no leite.

    Pessoas com intolerância à lactose são incapazes de digerir completamente o açúcar (lactose) do leite. Como resultado, eles têm diarreia, gases e inchaço depois de comer ou beber produtos lácteos. A condição, que também é chamada de má absorção da lactose, geralmente é inofensiva, mas seus sintomas podem ser desconfortáveis.

    A deficiência de lactase - uma enzima produzida em seu intestino delgado - é geralmente responsável pela intolerância à lactose. Muitas pessoas têm baixos níveis de lactase, mas são capazes de digerir produtos lácteos sem problemas. Se você é realmente intolerante à lactose, sua deficiência de lactase leva a sintomas depois que você come laticínios.

    A maioria das pessoas com intolerância à lactose pode controlar a condição sem ter que desistir de todos os alimentos lácteos.

    Sintomas

    Os sinais e sintomas da intolerância à lactose geralmente começam de 30 minutos a duas horas depois de comer ou beber alimentos que contêm lactose. Sinais e sintomas comuns incluem:

    • Diarreia
    • Náusea e, às vezes, vômito
    • Cólicas abdominais
    • Inchaço
    • Gases

     Quando procurar um médico?

    Marque uma consulta com seu médico se tiver sintomas frequentes de intolerância à lactose depois de comer laticínios, especialmente se estiver preocupado em ingerir cálcio suficiente.

    Causas

    A intolerância à lactose ocorre quando o intestino delgado não produz o suficiente de uma enzima (lactase) para digerir o açúcar do leite (lactose).

    Normalmente, a lactase transforma o açúcar do leite em dois açúcares simples - glicose e galactose - que são absorvidos pela corrente sanguínea através do revestimento intestinal.

    Se você é deficiente em lactase, a lactose em sua comida se move para o cólon ao invés de ser processada e absorvida. No cólon, as bactérias normais interagem com a lactose não digerida, causando os sinais e sintomas de intolerância à lactose.

    Existem três tipos de intolerância à lactose. Diferentes fatores causam a deficiência de lactase subjacente a cada tipo.

    Intolerância à lactose primária

    Este é o tipo mais comum de intolerância à lactose. Pessoas que desenvolvem intolerância à lactose primária começam a vida produzindo muita lactase - uma necessidade para os bebês, que recebem toda a sua nutrição do leite. À medida que as crianças substituem o leite por outros alimentos, sua produção de lactase normalmente diminui, mas permanece alta o suficiente para digerir a quantidade de laticínios em uma dieta típica para adultos.

    Na intolerância primária à lactose, a produção de lactase cai drasticamente, fazendo com que os produtos lácteos sejam difíceis de digerir na idade adulta e é determinada geneticamente.

    Intolerância à lactose secundária

    Esta forma de intolerância à lactose ocorre quando o intestino delgado diminui a produção de lactase após uma doença, lesão ou cirurgia envolvendo o intestino delgado. Entre as doenças associadas à intolerância à lactose secundária estão a doença celíaca, o supercrescimento bacteriano e a doença de Crohn. O tratamento do distúrbio subjacente pode restaurar os níveis de lactase e melhorar os sinais e sintomas, embora isso possa levar tempo.

    Intolerância à lactose congênita

    É possível, mas raro, que os bebês nasçam com intolerância à lactose causada pela completa ausência de atividade da lactase. Esse distúrbio é transmitido de geração em geração em um padrão de herança autossômica recessiva, o que significa que tanto a mãe quanto o pai devem transmitir a mesma variante do gene para que uma criança seja afetada. Bebês prematuros também podem ter intolerância à lactose por causa de um nível insuficiente de lactase.

    Fatores de risco

    Fatores que podem tornar você ou seu filho mais propensos à intolerância à lactose incluem:

    - Aumento da idade -  A intolerância à lactose geralmente aparece na idade adulta. A condição é incomum em bebês e crianças pequenas.

    - A intolerância à lactose é mais comum em pessoas de ascendência africana, asiática, hispânica e americana.

    - Nascimento prematuro -  Os bebês nascidos prematuramente podem ter níveis reduzidos de lactase, porque o intestino delgado não desenvolve células produtoras de lactase até o final do terceiro trimestre.

    - Doenças que afetam o intestino delgado - Problemas de intestino delgado que podem causar intolerância à lactose incluem supercrescimento bacteriano, doença celíaca e doença de Crohn.

    - Certos tratamentos de câncer - Se você recebeu radioterapia para câncer em seu abdômen ou tem complicações intestinais decorrentes da quimioterapia, você tem um risco aumentado de intolerância à lactose.

    Tratamento

    Não há atualmente nenhuma maneira de aumentar a produção de lactase do seu corpo, mas você geralmente pode evitar o desconforto da intolerância à lactose por:

    - Evitando grandes porções de leite e outros produtos lácteos

    - Comer e beber sorvete e leite com baixo teor de lactose

    Com alguma tentativa e erro, você pode prever a resposta do seu corpo a diferentes alimentos contendo lactose e descobrir o quanto você pode comer ou beber sem desconforto.

    Mantenha uma boa nutrição

    Reduzir os produtos lácteos não significa que você não consiga cálcio suficiente. O cálcio é encontrado em muitos outros alimentos, como:

    Brócolis

    Produtos fortificados com cálcio, como pães e sucos

    Salmão Enlatado

    Substitutos do leite, como leite de soja e leite de arroz

    Laranjas

    Feijão carioca

    Espinafre

    Certifique-se também de obter vitamina D suficiente, que normalmente é fornecida em leite fortificado. Ovos, fígado e iogurte também contêm vitamina D, e seu corpo produz vitamina D quando você passa tempo ao sol. Mesmo sem restringir os alimentos lácteos, no entanto, muitos adultos não recebem quantidade suficiente de vitamina D. Converse com seu médico sobre a ingestão de suplementos de vitamina D e cálcio para ter certeza.

    Agente uma consulta com um clínico geral se tiver sinais ou sintomas que sugiram que possa ter intolerância à lactose. Como as consultas podem ser breves, é uma boa ideia estar preparado. Aqui estão algumas informações para ajudá-lo a se preparar e saber o que esperar do seu médico.

    Perguntas que você pode querer fazer sobre a intolerância à lactose incluem:

    Meus sintomas são causados ​​pela intolerância à lactose?

    Existem outras causas possíveis para meus sintomas?

    Que tipos de testes eu preciso? Esses testes exigem alguma preparação especial?

    A intolerância à lactose é uma condição vitalícia ou pode desaparecer?

    Quais são as minhas opções de tratamento?

    Eu devo parar de comer todos os produtos lácteos?

    Como posso ter certeza de que estou recebendo cálcio suficiente na minha dieta?

    Eu deveria ver um nutricionista?

    Eu tenho essas outras condições de saúde. Como posso gerenciar melhor essas condições juntas?

    Mantenha o controle de suas porções diárias de diferentes alimentos lácteos, incluindo leite, sorvete, iogurte e queijo, bem como o horário e junto com o que você come (as combinações). Informe também ao seu médico quais os alimentos lácteos, em que quantidades, costumam aparecer os ​​sintomas. Esta informação pode ajudar o seu médico a fazer um diagnóstico.

    Se você acha que pode ter intolerância à lactose, tente cortar os produtos lácteos da sua dieta por alguns dias para ver se os sintomas aliviam. Deixe seu médico saber se seus sintomas melhoraram nos dias em que você não tem produtos lácteos.

  • Dieta Vegetariana

    As pessoas se tornam vegetarianas por muitas razões, incluindo saúde, preocupações com o bem-estar animal ou o uso de antibióticos e hormônios no gado, ou o desejo de comer de uma maneira que evite o uso excessivo de recursos ambientais... algumas pessoas seguem uma dieta basicamente vegetariana porque não podem comer carne.  Seguir uma dieta vegetariana tornou-se mais atraente e acessível, graças à disponibilidade durante todo o ano de produtos frescos, mais opções de refeições vegetarianas e à crescente influência culinária das culturas com dietas amplamente à base de alimentos naturais.

    Tradicionalmente, a pesquisa sobre vegetarianismo se concentrava principalmente em potenciais deficiências nutricionais, mas nos últimos anos, o pêndulo balançou para o outro lado, e os estudos estão confirmando os benefícios para a saúde da alimentação sem carne. Atualmente, a alimentação baseada em legumes, frutas e vegetais é reconhecida não apenas como nutricionalmente suficiente, mas também como uma forma de reduzir o risco de muitas doenças crônicas.

    A menos que você siga as orientações recomendadas sobre nutrição, consumo de gordura e controle de peso, tornar-se vegetariano não será necessariamente bom para você. Uma dieta de refrigerante, pizza de queijo e doces, afinal, é tecnicamente "vegetariana". Para a saúde, é importante ter certeza de que você come uma grande variedade de frutas, verduras e grãos integrais. Também é vital substituir gorduras saturadas e trans com gorduras boas, como as encontradas em nozes, azeite de oliva e óleo de canola. E lembre-se sempre de que, se você ingerir muitas calorias, mesmo com alimentos nutritivos e com baixo teor de gordura, você ganhará peso. Por isso, também é importante praticar o controle de porções, ler os rótulos dos alimentos e participar de atividades físicas regulares.

    Você pode obter muitos benefícios na saúde na dieta vegetariana sem necessariamente ser. Por exemplo, um padrão alimentar mediterrânico - conhecido por estar associado a uma vida mais longa e a um risco reduzido de várias doenças crónicas - apresenta uma ênfase nos alimentos vegetais com uso moderado da carne. Mesmo que você não queira se tornar um vegetariano completo, pode orientar sua dieta nessa direção com algumas substituições simples, como fontes vegetais de proteína - feijão ou tofu, por exemplo - ou peixe ao invés de carne algumas vezes na semana.

    Só você pode decidir se uma dieta vegetariana é ideal para você. Se melhorar a saúde é seu objetivo, aqui estão algumas coisas a considerar.

    1. Variedades de vegetarianos

    Estritamente falando, os vegetarianos são pessoas que não comem carne, aves ou frutos do mar. Mas pessoas com muitos padrões alimentares diferentes se autodenominam vegetarianos, incluindo os seguintes:

    1.1 - Veganos (vegetarianos totais): Não come carne, aves, peixe ou qualquer produto derivado de animais, incluindo ovos, laticínios e gelatina.

    1.2 - Ovo-lacto vegetarianos: Não come carne, aves ou peixe, mas coma ovos e laticínios.

    1.3 - Lacto-vegetarianos: Não come carne, aves, peixe ou ovos, mas consume produtos lácteos.

    1.4 - Ovo vegetarianos: Não come carne, frango, peixe ou laticínios, mas come ovos.

    1.5 - Vegetarianos parciais: Evita carne, mas pode comer peixe ou frango.

    Em comparação com comedores de carne, os vegetarianos tendem a consumir menos gordura saturada e colesterol e mais vitaminas C e E, fibra dietética, ácido fólico, potássio, magnésio e fitoquímicos (produtos químicos vegetais), como carotenóides e flavonóides. Como resultado, é provável que tenham menor colesterol total e LDL (ruim), menor pressão arterial e menor índice de massa corporal (IMC), todos associados à longevidade e à redução do risco de muitas doenças crônicas.

    2. E quanto aos riscos para a saúde por ser vegetariano?*

    Preocupações sobre dietas vegetarianas têm se concentrado principalmente nos seguintes nutrientes:

    Proteína - Pesquisas mostram que os ovo-lacto vegetarianos geralmente obtêm a quantidade diária recomendada de proteína, que é facilmente obtida de produtos lácteos e ovos. Os veganos podem atender suas necessidades de proteína, incluindo ervilhas, feijões, lentilhas, grão de bico, sementes, nozes, produtos de soja e grãos integrais (por exemplo, trigo, aveia, cevada e arroz integral).

    Vitamina B12 - A vitamina B12 é encontrada apenas em produtos de origem animal, mas esses produtos incluem alimentos lácteos e ovos, por isso a maioria dos vegetarianos obtêm tudo o que precisam. Se você evitar totalmente os produtos animais, deve ingerir alimentos enriquecidos com vitamina B12 (certas bebidas à base de soja e arroz e cereais matinais) ou tomar um suplemento de vitamina B12 para evitar uma deficiência, que pode causar problemas neurológicos e anemia perniciosa.

    Ferro - Estudos mostram que, nos países ocidentais, os vegetarianos tendem a obter a mesma quantidade de ferro que os comedores de carne. Mas o ferro na carne (especialmente carne vermelha) é mais prontamente absorvido do que o tipo encontrado em alimentos vegetais, conhecido como ferro não-heme. A absorção de ferro não-heme é reforçada pela vitamina C e outros ácidos encontrados em frutas e vegetais, mas pode ser inibida pelo ácido fítico em grãos integrais, feijões, lentilhas, sementes e nozes.

    Zinco - O ácido fítico em grãos integrais, sementes, feijões e legumes também reduz a absorção de zinco, mas os vegetarianos nos países ocidentais não parecem ser deficientes em zinco.

    Cálcio - Os vegetarianos devem consumir uma variedade de fontes de cálcio para atender às necessidades diárias. Os produtos lácteos são uma rica fonte de cálcio. Se sua dieta não inclui produtos lácteos, o cálcio pode ser obtido a partir de alimentos à base de verduras, mas a quantidade de cálcio que o corpo pode absorver desses alimentos varia. Aqui está uma lista de fontes vegetarianas de cálcio: leite, iogurte e queijo com baixo teor de gordura ou sem gordura; cereais prontos a comer; alguns vegetais de folhas verdes; brócolis; feijão, incluindo soja, grão-de-bico e feijão preto.

    3. Benefícios na saúde de quem adotou a Dieta Vegetariana:

    3.1 - Reduz o risco de diabetes

    3.2 - Reduz o risco de doenças cardiovasculares

    3.3 - Redução do colesterol ruim (LDL) e aumento do colesterol bom (HDL)

    3.4 - Reduz o risco de obesidade e doenças associadas

    3.5 - Tem melhor humor e disposição

    3.6 - Menor risco de desenvolver câncer

    *Sempre consulte um médico ou nutricionista para orientações e checagens regulares de seu quadro clínico.

  • A Importância da Atividade Física na Saúde

    A atividade física regular é uma das coisas mais importantes que você pode fazer pela sua saúde.

    Se você não tem certeza de se tornar ativo ou de aumentar seu nível de atividade física porque tem medo de se machucar, a boa notícia é que a atividade aeróbica de intensidade moderada, como caminhada rápida, geralmente é segura para a maioria das pessoas.

    Comece devagar. Eventos cardíacos, como um ataque cardíaco, são raros durante a atividade física. Mas o risco aumenta quando você de repente se torna muito mais ativo do que o normal. Por exemplo, você pode se colocar em risco se não costuma fazer muita atividade física e, de repente, praticar atividade aeróbica de intensidade vigorosa. É por isso que é importante começar devagar e aumentar gradualmente o seu nível de atividade.

    Se você tem um problema de saúde crônico, como artrite, diabetes ou doença cardíaca, converse com seu médico para descobrir se sua condição limita, de alguma forma, sua capacidade de ser ativo. Em seguida, trabalhe com seu médico para elaborar um plano de atividade física que corresponda às suas habilidades. Se sua condição impedir você de cumprir diretrizes mínimas, tente fazer o máximo possível. O importante é que você evite ficar inativo. Até 60 minutos por semana de atividade aeróbica de intensidade moderada é bom para você.

    Acredite: os benefícios para a saúde da atividade física superam os riscos de se machucar.

    Olha o que os exercícios podem fazer por você:

    1. Controle seu peso - quer obter ou manter um peso saudável? Tanto a dieta quanto a atividade física desempenham um papel crítico no controle do seu peso. Você ganha peso quando as calorias que você queima, incluindo aquelas queimadas durante a atividade física, são menores do que as calorias que você come ou bebe. Quando se trata de controle de peso, as pessoas variam muito em relação à quantidade de atividade física que precisam. Você pode precisar ser mais ativo do que os outros para alcançar ou manter um peso saudável.

    Para manter seu peso, trabalhe até 150 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada, 75 minutos de atividade aeróbica de intensidade vigorosa ou uma mistura equivalente dos dois a cada semana. Estudos acadêmicos mostram que a atividade física pode ajudá-lo a manter seu peso ao longo do tempo. No entanto, a quantidade exata de atividade física necessária para fazer isso não é clara, pois varia muito de pessoa para pessoa. É possível que você precise fazer mais do que o equivalente a 150 minutos de atividade de intensidade moderada por semana para manter seu peso.

    Para perder peso e mantê-lo, você precisará de muita atividade física, a menos que você também ajuste sua dieta e reduza a quantidade de calorias que você está comendo e bebendo. Chegar e manter um peso saudável requer tanto atividade física regular quanto um plano de alimentação saudável.

    2. Reduza seu risco de doença cardiovascular – muitos indivíduos têm sofrido de doenças cardíacas, pressão alta por motivos de excesso de peso. Mas exercitar-se pelo menos 150 minutos por semana (2 horas e 30 minutos) de atividade aeróbica de intensidade moderada pode colocá-lo em um risco menor para essas doenças. Você pode reduzir ainda mais o seu risco com mais atividade física. A atividade física regular também pode diminuir sua pressão sanguínea e melhorar seus níveis de colesterol.

    3. Reduz o risco de diabetes tipo 2 - a atividade física regular pode reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2, pois ajuda a controlar seus níveis de glicose no sangue. Se você tem diabetes, ser ativo torna seu corpo mais sensível à insulina (o hormônio que permite que células em seu corpo usem o açúcar no sangue como energia), o que ajuda a controlar seu diabetes. A atividade física também ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue e reduz o risco de doenças cardíacas e danos nos nervos.

    4. Reduz o risco de alguns tipos de câncer - ser fisicamente ativo reduz o risco de dois tipos de câncer: cólon e mama. Pesquisas mostram que pessoas fisicamente ativas têm um risco menor de câncer de cólon do que pessoas que não são ativas; mulheres fisicamente ativas têm um risco menor de câncer de mama do que pessoas que não são ativas; reduz o risco de câncer endometrial e de pulmão; melhora sua qualidade de vida. Se você é um sobrevivente de câncer, pesquisas mostram que fazer atividades físicas regulares não apenas ajuda a melhorar a qualidade de vida, mas também melhora a sua forma física.

    5. Fortalece ossos e músculos - à medida que envelhece, é importante proteger os ossos, articulações e músculos. Eles não apenas sustentam seu corpo e o ajudam a se mover, mas também manter ossos, articulações e músculos saudáveis ​​pode ajudar a garantir que você possa realizar suas atividades diárias e ser fisicamente ativo. Pesquisas mostram que fazer atividade física aeróbica, de fortalecimento muscular e de fortalecimento ósseo de nível moderadamente intenso pode diminuir a perda de densidade óssea que vem com a idade.

    A fratura de quadril é uma condição séria de saúde que pode ter efeitos negativos que podem mudar sua vida, especialmente se você for um adulto mais velho. Pesquisas mostram que pessoas que fazem 120 a 300 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada a cada semana têm menor risco de fratura de quadril.

    A atividade física regular ajuda na artrite e em outras condições que afetam as articulações. Se você tiver artrite, fazer 130 a 150 (2 horas e 10 minutos a 2 horas e 30 minutos) por semana de atividade aeróbica de intensidade moderada e baixo impacto pode não apenas melhorar sua capacidade de controlar a dor e realizar tarefas cotidianas, mas também pode melhorar sua qualidade de vida.

    Construa músculos fortes e saudáveis. As atividades de fortalecimento muscular podem ajudá-lo a aumentar ou manter sua massa muscular e força. Lentamente aumentando a quantidade de peso e o número de repetições que você faz, você terá ainda mais benefícios, não importa a sua idade.

    6. Melhora sua saúde mental e humor - a atividade física regular pode ajudar a manter suas habilidades de raciocínio, aprendizado e raciocínio com a idade. Também pode reduzir o risco de depressão e pode ajudá-lo a dormir melhor. Pesquisas demonstraram que fazer exercícios aeróbicos ou uma mistura de atividades aeróbicas e de fortalecimento muscular de 3 a 5 vezes por semana, durante 30 a 60 minutos, pode dar a você esses benefícios para a saúde mental. Algumas evidências científicas também mostraram que níveis ainda mais baixos de atividade física podem ser benéficos.

    7. Melhora sua capacidade de realizar atividades diárias e evitar quedas - uma limitação funcional é a perda da capacidade de realizar atividades cotidianas, como subir escadas, fazer compras ou brincar com seus netos.

    Como isso se relaciona com a atividade física? Se você é um adulto de meia-idade ou mais velho fisicamente ativo, você tem um risco menor de limitações funcionais do que as pessoas que estão inativas.

    Já tem problemas para fazer algumas de suas atividades diárias? Atividades aeróbicas e de fortalecimento muscular podem ajudar a melhorar sua capacidade de realizar esses tipos de tarefas.

    Você é um adulto mais velho que corre risco de cair? Pesquisas mostram que fazer atividades de equilíbrio e fortalecimento muscular a cada semana, juntamente com atividades aeróbicas de intensidade moderada, como caminhada rápida, pode ajudar a reduzir o risco de quedas.

    8. Aumenta suas chances de viver mais - a atividade física pode reduzir o risco de morrer prematuramente das principais causas de morte, como doenças cardíacas e alguns tipos de câncer. Isso é notável de duas maneiras: apenas algumas escolhas de estilo de vida têm um impacto tão grande na sua saúde quanto a atividade física. As pessoas que são fisicamente ativas por cerca de 7 horas por semana têm um risco 40% menor de morrer cedo do que aquelas que estão ativas por menos de 30 minutos por semana.

    Você não precisa fazer muita atividade ou atividade de intensidade vigorosa para reduzir o risco de morte prematura. Você pode se colocar em um risco menor de morrer cedo fazendo pelo menos 150 minutos por semana de atividade aeróbica de intensidade moderada.

    Todos podem ganhar com os benefícios na saúde através da atividade física. Não importa idade, sexo, raça... o que importa é começar!

  • ALIMENTOS ANTIOXIDANTES

    Provavelmente em algum momento da vida você já deva ter ouvido falar nos antioxidantes. Mas quem são esses famosinhos da alimentação? Vamos desvendar um pouco sobre esses agentes protetores da nossa saúde nas linhas abaixo. Vem conosco!!!!

    O que são antioxidantes?

    Você já viu o peixe que se alimenta no fundo de um aquário, sugando todo o lamaçal e a sujeira? Pense em antioxidantes como os peixinhos “catadores de radicais livres” de tamanho molecular no aquário do seu corpo. Uma vez que um antioxidante encontra seu caminho no corpo, principalmente através dos alimentos que ingerimos, ele retarda, ou até mesmo previne, a oxidação de outras moléculas. Quando as moléculas do corpo se oxidam, elas podem criar radicais livres ou subprodutos celulares. É muito normal ter esses radicais livres no corpo, mas em excesso eles podem causar estragos em nossas estruturas celulares.

    Os antioxidantes podem ser encontrados em algumas vitaminas (como as vitaminas C e E), alguns minerais (como o selênio) e flavonóides, que são encontrados nas plantas. As melhores fontes de antioxidantes são frutas e legumes. Você pode encontrar flavonóides em frutas, vinho tinto e chás. Você também pode comprar suplementos antioxidantes. O melhor caminho para obter antioxidantes é através de uma dieta saudável.

     Quem são os radicais livres?

    Os radicais livres criam um processo destrutivo em nossas células, fazendo com que as moléculas dentro das células se tornem instáveis. Eles podem até ser um grande participante na formação de células cancerosas por um efeito de "reação em cadeia", fazendo com que outras células sejam danificadas. Por causa da instabilidade inerente dos radicais livres, eles tentam atacar outras células saudáveis para se estabilizarem. Isso faz com que as células uma vez saudáveis reajam da mesma maneira, atacando outras células em uma tentativa interminável de estabilidade celular.

    O resultado desse desequilíbrio em nosso corpo desempenha um grande papel em muitas das doenças atuais, tais como degeneração muscular e tecidual, doenças cardíacas, diabetes, câncer, assim como muitos outros problemas de saúde. Além disso, a exposição excessiva ao sol (queimaduras solares) e o tabagismo também podem aumentar a necessidade do corpo de oxidar e criar radicais livres.

    Os antioxidantes param essa reação em cadeia celular de oxidação, neutralizando os radicais livres.

     Diferentes antioxidantes beneficiam diferentes partes do corpo

    Há uma ampla gama de antioxidantes encontrados na natureza e, por serem tão variados, diferentes antioxidantes proporcionam benefícios a diferentes partes do corpo. Por exemplo, o beta-caroteno (e outros carotenóides) é muito benéfico para a saúde dos olhos; o licopeno é benéfico para ajudar a manter a saúde da próstata; flavonóides são especialmente benéficos para a saúde do coração; e proantocianidinas são benéficas para a saúde do trato urinário.

    Antioxidantes e benefícios para a saúde da pele

    Quando a pele é exposta a altos níveis de luz ultravioleta há uma perda de lipídios celulares, proteínas e DNA, e são considerados os principais contribuintes para o eritema (queimaduras solares), envelhecimento prematuro da pele, fotodermatoses e cânceres de pele. A astaxantina, seguida pelo beta-caroteno combinado com a vitamina E, demonstrou ser uma das combinações antioxidantes mais poderosas para ajudar a proteger a pele de espécies reativas de oxigênio.

     Antioxidantes e Suporte ao Sistema Imunológico

    O oxigênio singleto pode comprometer o sistema imunológico, porque ele tem a capacidade de catalisar a produção de radicais livres. Foi demonstrado que a astaxantina e a espirulina aumentam o sistema imunológico e protegem as membranas celulares e o DNA celular de mutações.

     Antioxidantes de maneiras adicionais ajudam a beneficiar a saúde

    Aumentar a ingestão de antioxidantes é essencial para uma ótima saúde, especialmente no mundo poluído de hoje. Como o corpo não consegue acompanhar a produção de antioxidantes, uma boa quantidade dessas vitaminas, minerais, fitoquímicos e enzimas deve ser proveniente da dieta diária. Aumentar a sua ingestão de antioxidantes pode ajudar a fornecer proteção adicional para o corpo contra:

    • - Problemas cardíacos
    • - Problemas oculares
    • - Problemas de memória
    • - Distúrbios do humor
    • - Problemas do sistema imunológico

    A seguir temos alguns exemplos de alimentos antioxidantes:

    • - Açafrão (ou cúrcuma) - rico em curcuminoides, compostos com ação anti-inflamatória e anti-idade.
    • - Aveia - auxilia na estruturação da pele, melhora a circulação sanguínea e dificulta a absorção da gordura pelo intestino e ajuda a eliminar toxinas.
    • - Azeite de oliva - Rico em gorduras monoinsaturadas, tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.
    • - Frutas cítricas - poderosa vitamina C, além de bioflavonoides, que aumentam o tônus das veias, favorecendo a microcirculação.
    • - Frutas vermelhas - fortalece os vasos sanguíneos e linfáticos, melhorando a circulação.
    • - Linhaça - rica em ômega 3, anti-inflamatório natural, auxilia na regulação hormonal.
    • - Melão - alcaliniza o pH sanguíneo (é anti-inflamatório)
    • - Óleo de gergelim - rico em vitamina E, que atua como antioxidante protegendo as células da ação dos radicais livres. Também possui ação anti-inflamatória.
    • - Suco de uva integral - possuía ação antioxidante e anti-inflamatória importante.

    Se você tem uma alimentação equilibrada, com bastante ingestão de frutas, legumes e verduras, pelo menos 2l de água é bem provável que não haja necessidade de suplementação. Entretanto, se ainda tiver qualquer dúvida sempre consulte um profissional da área de saúde para receber toda orientação necessária. Afinal, com saúde o assunto sempre é sério e não pode haver pontos de interrogação!

  • SUPER ALIMENTOS

    Cuidar da saúde do corpo passa por uma alimentação saudável e equilibrada, além claro de atividade física regular. Quando temos a possibilidade de inserir em nosso cardápio diário alimentos que são ricos nutricionalmente, só teremos benefícios a colher. Por este motivo vamos falar dos Super Alimentos.

    Eles estão disponíveis nas feiras e supermercados, vez ou outra viram moda o seu consumo, mas verdade é que existem muitos tipos de alimentos que poderiam nos manter afastados de médicos e farmácias se fossem consumidos de maneira regular.

    Vamos aqui listar alguns super alimentos que, incentivamos estar presentes na sua lista de compras:

    Açaí - ótima fonte de energia e poderoso no combate ao envelhecimento. A fruta contém níveis muito elevados de antioxidantes, que ajudam a combater câncer e doenças cardíacas. Também é uma das poucas frutas que possui gordura saudável para coração.

    Goji berries - riquíssima em vitamina C, fibras, ferro, vitamina A, zinco, antioxidantes. Essas frutinhas contêm todos os 8 aminoácidos essenciais. Uma única porção de 4 frutinhas fornece quase 10 por cento do seu valor diário para proteínas. Para uma fruta, esta é uma quantidade surpreendente de proteína. Os carboidratos do goji berry são carboidratos complexos. Isso significa que seu açúcar no sangue aumentará lentamente.

    Cacau / cacau em pó - como o chocolate, o pó de cacau contém flavonóides, que são conhecidos por ajudar a baixar a pressão arterial e melhorar o fluxo sanguíneo para o cérebro e o coração. Com menos de 15 calorias por colher de sopa e contendo quase nenhuma gordura, o cacau proporciona um sabor de chocolate forte sem a culpa.

    Algas marinhas - fonte de ácidos graxos ômega-3, o que pode prevenir ataques cardíacos repentinos e acidentes vasculares cerebrais. As algas também estão cheias de minerais importantes, como o cálcio e o magnésio compatíveis com ossos, bem como ferro, potássio, iodo e zinco

    Chia - contém muitos fitoquímicos diferentes, cada um com benefícios únicos, incluindo miricetina, quercetina e kaempferol, que possuem propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e anticancerígenas. As sementes Chia têm uma alta concentração de ácidos graxos essenciais à base de plantas ômega-3. Esses ácidos graxos essenciais fazem parte das membranas celulares e desempenham um papel na saúde do coração, na saúde das paredes celulares e arteriais e muito mais. Chia é uma "proteína completa" - o que significa que contém todos os nove aminoácidos essenciais, o que é incrivelmente raro para uma fonte de proteína baseada em plantas. Rica em fibras, cerca de 37%! (20% são fibras solúveis e 80% são fibras insolúveis). Ajuda a manter o sistema digestivo saudável, saúde cardíaca e controle de açúcar no sangue.

    Kefir - é uma bebida antiga que se originou na Rússia. Semelhante ao sabor do iogurte, o kéfir é feito de leite fermentado e é ligeiramente ácida. Sua popularidade aumentou nos últimos anos devido ao crescente interesse em probióticos, que são conhecidos por impulsionar o sistema imunológico e auxiliar numa boa saúde digestiva.

     Abacate -  rico em gordura monoinsaturada saudável, que tem sido associada a um risco reduzido de câncer, doenças cardíacas e diabetes. Os abacates ajudam na regeneração do sangue e tecidos, estabilizam o açúcar no sangue e são excelentes para transtornos cardíacos. Eles são ricos em fibra (11 a 17 gramas por fruta) e são uma boa fonte de luteína, um antioxidante ligado à saúde dos olhos e da pele.

     Maçã - Uma maçã por dia realmente mantém o médico longe. As maçãs estão carregadas com poderosos antioxidantes, que protegem as células contra danos - isso significa um risco reduzido de câncer e doenças cardiovasculares, especialmente se você come a pele. A maçã e sua casca também contém muita fibra.

    Mirtilos - As superstars contra o envelhecimento, por serem carregadas com antioxidantes. Também demonstraram melhorar a visão e a função cerebral. Estudos mostram que comer mirtilos retarda deficiências na coordenação motora e na memória que acompanham o envelhecimento. Estas pequenas frutas também reduzem a inflamação, diabetes e doença cardíaca.

     Peixe - Comer peixe ajuda a reduzir o risco de doença cardíaca, câncer, doença de Alzheimer, acidente vascular cerebral, diabetes e artrite. As variedades gordurosas também podem ajudar a aliviar a depressão. Salmão e sardinha são fonte de omega 3.

    Alho - Reduz os níveis de colesterol total e triglicerídeos (gordura no sangue), ajudando a prevenir as artérias obstruídas. Também ajuda a prevenir o câncer, atua como antibacteriano e antiviral, aumentando a resistência a resfriados induzidos pelo estresse e infecções.

    Cogumelos - Utilizados há séculos na medicina oriental, os cogumelos têm poderosos efeitos no sistema imunológico. Os cogumelos ajudam a prevenir e tratar câncer, doenças virais, colesterol alto e pressão alta.

    Amêndoas - As amêndoas são ricas em fibra e gordura monoinsaturada, ambas as quais demonstraram baixar o colesterol, reduzindo o risco de doença cardíaca. E mesmo que as amêndoas sejam relativamente altas em gordura e calorias, os estudos mostram que comer amêndoas pode realmente ajudar com a perda de peso (suas proteínas, fibras e gorduras monoinsaturadas proporcionam a sensação de saciedade, evitando comer demais).

    Ovos - A melhor fonte de proteína do planeta, os ovos ultrapassam o leite, a carne, o soro de leite e a soja na qualidade das proteínas que fornecem. Além de conter os nove aminoácidos essenciais, os ovos são carregados de nutrientes. As gemas de ovo contêm colina, o que ajuda a proteger o coração e a função cerebral e evita que o colesterol e a gordura se acumulem no fígado.

    Linhaça - Carregado com ácido alfa-linolênico, um ácido graxo essencial que ajuda a reduzir a inflamação, a linhaça tem sido usada há séculos por razões medicinais e de saúde.

    Brócolis - Rico em vitaminas de crescimento ósseo e vitaminas ricas em antioxidantes A e C, bem como folato, cálcio e manganês. Graças ao seu perfil nutritivo impressionante, os compostos encontrados no brócolis podem ajudar a reduzir a inflamação, manter sua estrutura esquelética forte, proteger contra a doença ocular, melhorar a saúde do coração e até mesmo evitar o crescimento do câncer.

    Batata doce - Queridinha dos adeptos da musculação, a batata doce é uma raiz rica em vitamina C, potássio e manganês. Mais notavelmente, no entanto, eles estão repletos de vitamina A. De fato, uma xícara de batata doce cozida atende 769 por cento do valor diário da vitamina A. A vitamina A desempenha um papel na manutenção de uma visão saudável, combate a inflamação e protege a saúde do seu sistema imunológico para combater as infecções.

  • MUDANDO PARA HÁBITOS SAUDÁVEIS

    Muitas pessoas que desejam melhorar a saúde e diminuir o excesso de peso dizem que tentaram todas as dietas possíveis e imagináveis, mas sem sucesso esperado. Muito sacrifício que acaba trazendo frustração!

    As mudanças quando são de curto prazo, não têm poder para alterar velhos hábitos alimentares errados que acabam retornando quando o sacrifício da dieta da moda termina. E lá se voltam os quilos novamente...

    A realidade é que não há necessidade de cortar grupos inteiros de alimentos ou negar-se o prazer de comer. Pelo contrário, limitar sua ingestão nutricional só irá fazer você se sentir cansado, letárgico e sem qualquer força de vontade para fazer escolhas de alimentos saudáveis.

    A chave para o sucesso reside no desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis que não só a ajudarão a atingir seus objetivos, mas também a deixará satisfeita e com muita energia para realizar tudo o que desejar fazer. Mudanças simples no hábito diário, podem surtir efeitos maravilhosos na sua silhueta e saúde.

    Os hábitos alimentares saudáveis são todos aqueles que podem ser colocados no lugar dos hábitos não saudáveis; e devem ser sustentados a longo prazo.

    Aqui estão alguns hábitos alimentares saudáveis que, uma vez incorporados a sua rotina, transformarão sua vida.

    1. Coma alimentos saudáveis e diga NÃO aos produtos processados

    Com o dia a dia assoberbado de responsabilidades, nossas escolhas no mercado costumam ser pela praticidade. Mas nem sempre o prático escolhido é o saudável.

    Muitos dos alimentos embalados que compramos visam a conveniência e envolvem o mínimo de tempo de preparação da nossa parte - mas eles, muitas das vezes, não são saudáveis. Constituídos de grandes quantidades de conservantes, corantes artificiais e outros produtos químicos adicionados, os alimentos embalados tendem a ser mais elevados em gordura, sal e açúcar do que os alimentos cozidos a partir do zero, enquanto faltam nutrientes e fibras.

    Preparar a própria refeição é a garantia de saber o que está sendo ingerido. Acrescentar temperos e pouco sal traz sabor, sem trazer doenças!

    Dicas:

    - Que tal dar uma olhada carinhosa na sua dispensa e começar a ler o rótulo dos alimentos que você tem comprado? Mas faça isso sentado (a) pois você poderá se assustar com tantos aditivos químicos que a indústria de alimentos acrescenta para viciar seu paladar

    - Quando possível, compre alimentos frescos já higienizados e embalados. Outra opção é separar um dia para preparar o cardápio da semana inteira e congelar as porções (mas lembre-se que, se for congelar, utilizar vasilhas de vidro ou plástica com BPF Free). Uma porção de proteína, carboidrato e salada a vontade não é um bicho de 7 cabeças! :)

    2. Consuma grãos integrais

    Os grãos integrais oferecem muito mais nutrientes e fibras do que suas variedades refinadas. Estudos apontam que pessoas com excesso de peso que comem produtos de trigo integral perdem mais peso do que aqueles que comem trigo refinado; além de terem suas taxas de colesterol diminuídas.

    Os grãos integrais tendem a ter um menor índice glicêmico, mantém uma maior saciedade e aumentam os níveis de energia e concentração. Do lado do sabor, os grãos integrais têm mais textura e sabor que os refinados.

    Dicas:

    - Uma maneira rápida e simples de melhorar seus hábitos alimentares é escolher pão, arroz e massas integrais.

    - Adicione grãos integrais como quinoa e trigo nas saladas e outras refeições, isso elevará exponencialmente o valor nutritivo de sua refeição.

    3. Mudar para métodos de cozimento saudável

    Quanto mais você "faz" a sua comida, menos o faz por você. Portanto, evite fritar ou cozinhar os vegetais até eles mudarem de cor, pois isso só irá prejudicar os nutrientes.

    Dicas:

    - Grelhar ou assar carne, peixe e vegetais.

    - Cozinhe os vegetais no vapor, até ficarem levemente crocantes.

    - Use ervas, especiarias e pimenta moída em vez de sal.

    - Use vinagre balsâmico ou suco de limão em vez de molho de salada.

    4. Coma tamanhos de porções saudáveis

    No mundo consumista e glutão de hoje, pode ser difícil saber o que é uma porção saudável.

    Toda a publicidade que vemos parece ser destinada a nos encorajar a comer e beber muito.

    Portanto, não é de admirar que muitos de nós consomem mais do que precisamos diariamente, já que nossos hábitos alimentares mudaram sem que possamos percebê-lo.

    Dicas:

    - No almoço, ao preparar o seu prato divida-o em 4 partes: ¼ fica destinado a proteína, ¼ ao carboidrato de baixo valor glicêmico; e a parte restante, ou seja, a metade do prato, uma salada bem colorida composta por legumes e vegetais.

    - Para o jantar a dica é a mesma. No entanto, a quantidade deve ser menor pois é bem provável que logo virá um descanso na frente da TV ou lendo um bom livro e... sono!

    5. Tenha um diário de alimentos

    Manter um diário de tudo o que você come e bebe durante todo o dia lhe dará uma imagem clara do quanto e o que você está consumindo. As vezes nem percebemos, mas ao longo do dia vamos nos sabotando e desta forma não conseguiremos nunca alcançar nossos objetivos.

    Dicas:

    - Tenha em mãos um caderno pequeno e uma caneta ou lápis.

    - Anote tudo o que consumir. Tudo mesmo!

    - Se possível conte as colorias ingeridas ao longo do dia.

    - Separe as refeições feitas por grupos (massas, carnes, frutas, laticínio...) e veja se o consumo está equilibrado.

    6. Alimentação saudável em eventos sociais

    Para a maioria de nós, é impossível evitar encontros de trabalho ou festinhas de aniversários onde há muita oferta de alimentos e bebidas não saudáveis, no dia seguinte somos as pessoas mais arrependidas da face da Terra. Mas não precisa ser assim! O caminho da liberdade é possível!

    Dicas:

    - Alimente-se de forma saudável antes de chegar no evento. Acredite, a fome é sua pior inimiga!

    - Em um buffet, encha seu prato uma vez e depois fique longe da mesa de comida.

    - Procure a opção mais saudável: um pedaço de peixe grelhado ou carne magra, por exemplo.

    - Carregue sempre lanches saudáveis para o caso de não haver opção no local.

    - Abra mão das sobremesas calóricas. Escolha sempre opções mais naturais.

    7. Planeje suas compras saudáveis

    É muito fácil comer errado quando as opções disponíveis não são nada boas. Entretanto, se ao abrir o armário para comer um biscoito, você encontra uma opção orgânica, integral com açúcar na medida certa e sem aditivos químicos, o lanche da tarde não vai pesar na balança, nem na consciência.

    Dicas:

    - Planeje sempre o que vai comprar!

    - Nunca faça suas compras de mês com fome.

    - Crie sua própria lista de compras com opções saudáveis.

    - Pesquise lanches fáceis de preparar e práticos.

    8. Beba muita água

    A água é essencial para a vida - é necessária para a digestão, absorção e transporte de nutrientes, para a eliminação de resíduos e para regular a temperatura corporal. Em média um adulto deve beber pelo menos 2 litros de água por dia.

    Não se engane, água é necessário para que seu corpo funcione de forma harmoniosa e equilibrada.

    Dicas:

    - Tenha uma garrafa sempre perto de você. Acredite, essa prática simples traz muito resultado!

    - Acrescente sabor com rodelas de limão, ou folhas de hortelã, ou pedaços de gengibre.... o que o paladar aprovar, sinta-se livre para inventar.

    Trazendo esses hábitos saudáveis a sua vida, os resultados virão e cada vez mais você se sentirá motivada e prosseguir nas conquistas!!!!

  • REALÇADOR DE SABOR: UM RISCO PARA A SAÚDE

    A indústria de alimentos tem trabalhado fortemente para aumentar suas vendas através de sabores mais atrativos. Essa prática, tem trazido uma oferta de produtos processados, recheados de aditivos químicos conhecidos por realçadores de sabor que são altamente prejudiciais a nossa saúde e altamente viciante, uma vez que passamos a achar os alimentos, em sua forma original sem graça, sem sabor.

    Os realçadores de sabor são usados em alimentos salgados para “melhorar” o sabor existente nos alimentos. Eles são presentes em alimentos industrializados (sopas instantâneas, congelados, lanches...) e o Glutamato Monossódico é o exemplo mais comum de realçador de sabor. Esse aumento no consume de alimentos processados tem trazido efeitos devastadores sobre a saúde da população mundial. O corpo está sentindo seus efeitos em forma de doenças, como: hipertensão, alergias, obesidade...

    Abaixo relacionamos alguns motivos para você fugir desses produtos:

    1. O realçador de sabor transforma alimentos de baixo ou nenhum valor nutricional em poderosas fontes de sabor, fazendo-os parecer bons para o consumo.

    2. Quando ocorre o consomo desses alimentos aditivados, as papilas gustativas vão ficando habituadas aquele sabor atrativo e cada vez querendo mais. Ao provar um alimento fresco, livre desse tipo de substância, a satisfação ao se alimentar não será como com o realçador de sabor e seu cérebro entenderá que este alimento não é bom ou saboroso. Uma seleção natural pela busca do prazer enquanto se alimenta, tornarão suas escolhas serão tendenciosas para os industrializados em detrimento aos de origem natural. Essa busca diária pelo consumo de produtos aditivados pode se caracterizar como vicioso.

    3. Disponibilizar alimentos industrializados para crianças é algo que nunca se deve fazer. Contudo, nem sempre isso é seguido e já desde muito cedo, os pequenos tem acesso a comidas processadas que não trazem nenhum benefício na construção da sua saúde. Os realçadores de alimentos podem causar graves danos ao cérebro e sistema nervoso da criança. As lactantes de igual modo precisam cuidar de sua alimentação pois todas as substâncias ingeridas vão para o leite que alimentará o bebê.

    4. É comprovado que o glutamato monossódico e outros realçadores de sabor são altamente viciantes. Depois de comer este produto químico tóxico, suas papilas gustativas ficam cada vez mais receptivas a esta sensação. À medida que você anseia mais dos alimentos que contêm potenciadores de sabor, todos os outros alimentos começam a não ter mais sabor quando comparados e você perde a alegria da comida de verdade.

    5. Além da obesidade, dano cerebral e danos ao sistema nervoso mencionados anteriormente, outros sintomas são desenvolvidos pelo consumo desses aditivos: enxaqueca, asma, fadiga, depressão, insônia, hiperatividade, desidratação, náusea, tontura, entorpecimento, disfunção cardíaca e irritações da pele.

    Opte sempre por alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos ou qualquer outro aditivo químico prejudicial a sua saúde!

  • COSMÉTICO ORGÂNICO

    Você já analisou os ingredientes presentes nos produtos que coloca na sua pele? Se você quer ter uma aparência linda e saudável, deveria começar a ter mais cuidado com o que usa!

    Um dos principais problemas dos cosméticos não-orgânicos são os produtos químicos e as fragrâncias sintéticas que podem conter. Isso pode ser uma das principais causas de irritação e reações alérgicas que você está desenvolvendo, mas só irá perceber quando parar de usá-los. Existem muitas substâncias que podem realmente ser prejudiciais para sua pele e sua saúde de modo geral. Vamos dar uma olhada em algumas das principais razões pelas quais você deve repensar no que tem feito e começar a utilizar cosméticos orgânicos.

    Os produtos químicos não são apenas potencialmente prejudiciais para a sua pele, eles podem encontrar caminho para a sua corrente sanguínea. A pele é um órgão e funciona como uma barreira protetora, mas se houver alguma possibilidade desses produtos tóxicos entrarem no seu corpo, os resultados poderão ser ainda mais prejudiciais do que uma reação alérgica. Substâncias como parabenos ou formaldeído são apenas exemplos de compostos químicos encontrados em artigos de beleza e higiene comprovadamente responsáveis por causar desde de irritações até câncer, além do passivo ambiental.

    Ao utilizar um cosmético orgânico, com ingredientes 100% naturais e origem comprovada, você terá a tranquilidade da não exposição a qualquer dos possíveis danos que os agentes químicos podem causar. O uso de ingredientes naturais pode realmente proteger sua pele em vez de prejudicá-la e manter afastada qualquer probabilidade de sofrer com problemas de sensibilidade. O fato de você usar produtos mais gentis para sua pele e rico em nutrientes ajudará a manter sua aparência naturalmente jovem e saudável durante longo prazo em vez de algumas das correções de curto prazo fornecidas por produtos produzidos sinteticamente.

    Se você se considera uma pessoa ecológica, os cosméticos produzidos organicamente certamente serão uma boa opção para você. Ao deixar de consumir um cosmético convencional, você deixará de financiar o uso de pesticidas e agentes químicos que tanto causam mal ao nosso ecossistema. Em contrapartida, os ingredientes orgânicos que foram cultivados naturalmente e embalados de forma ambientalmente amigável evitarão danificar a Terra e protegerão as futuras gerações.

    Então, se você quiser manter sua pele naturalmente saudável e proteger-se dos potenciais efeitos nocivos dos ingredientes sintéticos, os cosméticos orgânicos podem fornecer todos esses benefícios. Além disso, você ajudará a proteger o planeta dos efeitos de pesticidas e produtos químicos e os danos que podem causar ao Meio Ambiente.

  • Agrotóxico ou cigarro, qual o pior?

    O pensamento comum é de que frutas, legumes, grãos, cereais e outros alimentos naturais viram um banquete de nutrientes e vitaminas que se transformam em mais saúde para o corpo. Seria perfeito mesmo, não fosse a presença de ingredientes adicionados à grande maioria deles ainda na terra: os agrotóxicos.

    Estas substâncias químicas são usadas aos montes na agricultura brasileira, a tal ponto que, desde 2008, o Brasil ocupa o posto de campeão mundial no uso de agrotóxicos para manter as pragas longe das lavouras, segundo dados do Ibama.

    Se de um lado o agronegócio progride com a garantia de colheitas sem prejuízos, por outro nos tornamos consumidores de substâncias desconhecidas, muitas delas consideradas, inclusive, cancerígenas. Um levantamento da Fundação Oswaldo Cruz aponta que cada brasileiro consome, em média, 7 litros desse veneno por ano.

    Mais perigoso que o cigarro

    Mas como comemos tanta comida contaminada? Uma pesquisa da ESALQ/USP (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”), da Universidade de São Paulo, revelou que os agrotóxicos, inclusive os mais perigosos, estão muito presentes na alimentação da população.

    A pesquisadora Jacqueline Gerage Marques, mestra em ciência e tecnologia de alimentos, cruzou dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com informações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para analisar 743 itens alimentares bastante comuns no nosso cardápio, entre eles, abacaxi, abóbora, arroz, batata, café e cebola. A conclusão foi que 69 compostos excediam o valor de ingestão diária aceitável para não afetar a saúde de uma pessoa.

    O foco do estudo era entender a contaminação crônica, causada pelo consumo de pequenas quantidades de resíduos de agrotóxicos por um longo período.

    O chamado efeito cumulativo dessas microdoses de venenos ao longo da vida é apontado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), como responsável pelo aparecimento de diversas doenças, sobretudo, o câncer.

    “Antigamente, os fabricantes negavam que o cigarro causasse câncer e pudesse matar. Mesmo assim, a escolha de fumar sempre foi individual. Com os agrotóxicos, a situação é mais grave, pois a população está adoecendo e não tem direito de escolha.”
    – Karen Friedrich, biomédica, toxicologista e pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz.

    Texto retirado na íntegra do site:
    http://organicsbrasil.org/brasileiro-consome-7-litros-de-agrotoxicos-por-ano/

Itens 1 a 10 de um total de 15

Voltar ao topo